DIA DA RECICLAGEM: O DESAFIO DA DESTINAÇÃO CORRETA DE RECICLÁVEIS

    17/05/2019

    Apesar da geração de um grande volume de resíduos sólidos, a indústria ainda sofre com a falta de matéria-prima para recicladores

    Diariamente, a maior cidade do Brasil produz, sozinha, 20 mil toneladas de lixo. Apenas de resíduos domiciliares, são coletadas cerca de 12 mil toneladas/dia em São Paulo. Estes dados da prefeitura paulistana, de 2018, dão uma ideia do volume de resíduos sólidos que é produzido no Brasil todos os dias. Ainda assim, somente uma pequena porcentagem desse montante chega às recicladoras; e as cooperativas e indústrias de reciclagem têm visto algumas de suas centrais de processamento parcialmente ociosas por falta de matéria-prima, processando apenas uma fração do que teriam capacidade.

    No Brasil, em dados mais recentes levantados pela Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST), o índice de reciclagem de embalagens plásticas e equiparáveis pós-consumo é de 25,8% – o equivalente à reciclagem de 550 mil toneladas no ano de 2016. Esse número poderia ser melhor se não houvesse uma dificuldade logística clara de que o material pós-consumo seja separado nas residências e encaminhado para a coleta seletiva ou a um PEV (Pontos de Entrega Voluntária).

    “Hoje, a indústria de reciclagem engloba mais de 1 mil empresas e emprega cerca de 10 mil trabalhadores em todo o País. Com maior incentivo ao desenvolvimento do setor – por meio do aumento da disponibilidade de matéria-prima, da desoneração tributária e da valorização da atividade, por exemplo –, ainda mais negócios, empregos e renda poderão ser gerados”, afirma José Ricardo Roriz Coelho, presidente da ABIPLAST.

    Os benefícios socioambientais da reciclagem também são bastante relevantes. A cada 1 tonelada de material reciclado produzido, há redução média de 1,1 tonelada de resíduo plástico disposto em aterros; economia média de 75% de energia e de 450 litros de água na produção do reciclado; geração de 3,16 empregos (catadores que recolhem esse volume de material no mês) e; contribui para a redução da emissão de gases de efeito estufa.

    MOVIMENTO DA INDÚSTRIA
    A indústria de reciclagem de material plástico, representada pela ABIPLAST, tem agido no sentido de colaborar para a resolução dos gargalos do setor e para elevar os índices de reciclagem no Brasil. Neste contexto, a Câmara Nacional dos Recicladores de Material Plástico (CNRPLAS), Câmara Setorial da ABIPLAST, tem contribuído de forma constante, discutindo e trabalhando em temas importantes e necessários nessa direção.

    Nesse sentido, diversas iniciativas estão sendo trabalhadas na entidade, tais como a realização de treinamentos para cooperativas com o objetivo de melhorar a qualidade da separação de materiais plásticos – o que beneficia também os recicladores – e a atuação junto ao poder público.

    A Rede de Cooperação para o Plástico, criada em 2018 para reunir todos os elos da cadeia do plástico em torno da discussão e desenvolvimento da economia circular no processo produtivo do setor, dentre outras frentes, tem estudado modelos de logística que viabilizem a reciclagem e a reutilização dos plásticos em todo o Brasil, bem como modelos de coleta incentivada.

    Junto a outras 22 associações, a ABIPLAST também integra a Coalização Empresarial, que visa a implementação do Sistema de Logística Reversa de Embalagens em Geral, realizado por meio do Acordo Setorial de Embalagens em Geral.

    Para a educação ambiental da população, o Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast) – iniciativa da ABIPLAST e da Braskem – lançou o site e o aplicativo “Reciclagem de Plásticos”, idealizados para localizar com facilidade os PEVs mais próximos das residências para entrega de materiais recicláveis.

    Além disso, em conjunto com a CNRPLAS, foi criada em 2016 a certificação de empresas que estejam dentro dos critérios sociais, ambientais e econômicos exigidos por lei – o SENAPLAS – Empresa e, em 2018, criou-se o SENAPLAS – Produto, que certifica a resina plástica reciclada, atestando algumas propriedades como – densidade, índice de fluidez, temperatura de amolecimento ou fusão e/ ou módulo de flexão, garantindo a qualidade e confiabilidade do produto.

    Por fim, com o propósito de conscientizar a população sobre a separação do lixo orgânico do reciclável e importância dessa atitude, foi lançada em 2017 a campanha “Separe. Não pare.”, que contou com o apoio da ABIPLAST.

    Próximos Eventos

    FOR THE BRAVE

    20/07/2019 - São Paulo / SP

    Saiba Mais

    © 2018 - ABIPLAST - Associação Brasileira da Indústria do Plástico - Todos os direitos reservados.