CRIANÇAS SÃO PEÇAS-CHAVE NO ESTÍMULO À RECICLAGEM

    01/10/2019

    São Paulo, 25 de setembro de 2019 – Os professores Débora Garofalo e Alexander Turra foram os debatedores convidados para o Recycling Talk Show, evento realizado no último dia 24 no parque temático KidZania, em São Paulo, idealizado pelo Movimento Plástico Transforma, uma plataforma de conteúdo direcionada para a sociedade, que tem por objetivo mostrar como a utilização responsável do plástico pode transformar o nosso dia a dia e o nosso futuro. Com a mediação da jornalista Veruska Boechat, a iniciativa contou com a presença de jornalistas e influenciadores digitais, para discutir como a educação e a tecnologia são peças fundamentais para estimular a sociedade rumo a um estilo de vida mais consciente e mais sustentável. O encontro também promoveu uma visita guiada à Estação Plástico Transforma, atividade instalada no parque que reproduz as etapas do processo da reciclagem de plásticos de forma interativa e educativa.

    A professora Débora Garofalo, finalista do Top 10 no Global Teacher Prize 2019, considerado o Nobel da educação, contou como um projeto de reciclagem e robótica, em uma escola pública de São Paulo, transformou a realidade daquelas crianças e de toda a comunidade. O lixo que se espalhava pelas ruas foi reaproveitado em projetos de robótica. Carrinhos feitos de garrafas PET e bexigas se transformaram em um sucesso entre os alunos. Placas de PVC também foram usadas em um complexo projeto de robótica. “Os pais dos alunos me disseram que não entendiam muito bem o que era reciclagem, mas entenderam a importância por causa das informações que os filhos traziam”, disse ela. Realizado no bairro Cidade Leonor, mais de uma tonelada de lixo reciclável e eletrônico saíram das ruas e viraram materiais para praticar robótica ou tiveram um novo e adequado destino, o que incluía a venda dos produtos para a manutenção do projeto.

    Debora destacou ainda o uso de metodologias ativas no projeto, ressaltando a importância de ter mobilizado também as meninas da escola a estarem mais presentes nos projetos. “Temos que incentivar a formação de cientistas nas escolas públicas”. Conquistas como o incentivo aos alunos de 13 anos, que mal sabiam ler e escrever, foram comemoradas pela professora, além de outro aluno que ingressou na Faculdade de Física da Universidade de São Paulo (USP).

    O também professor, biólogo e pesquisador, Alexander Turra, avaliou que o foco da discussão acerca da poluição dos mares está sendo diluído e fugindo de questões que são mais importantes. “Distribuir renda e educação são fundamentais para combater o lixo no mar”. Turra citou o caso de um morador da Baixada Santista, que vive em situação de extrema pobreza em uma área de palafitas e que, por isso, não deveria ser responsabilizado pelo lixo gerado que polui o mar da região e gera incômodo em quem as frequenta para lazer. “Há muita gente que quer surfar nessa onda, perdendo o foco no que realmente importa”, disse, que acredita que há um “drible” em questões mais fundamentais.

    Turra, que acaba de voltar de uma conferência internacional onde foi debatida a agenda “Década para a Sobrevivência dos Oceanos 2021-2030”, acredita que devem se buscar novas soluções para as causas da poluição nos mares, como as redes de pesca que se perdem e são abandonadas. “Por que não se instalam rastreadores nas redes para que elas sejam recuperadas? ” O pesquisador acrescentou que as crianças são peça-chave para melhorar a questão da reciclagem e que elas devem ser colocadas “como parte da solução”. Ele destacou que os pequenos cidadãos têm em geral uma percepção mais rápida do que muitos adultos sobre questões ambientais.

    Para Alexander, as pessoas devem, em primeiro lugar, “entender o lixo”, para desenvolver atividades que contribuam para combater os danos causados pelos resíduos sólidos. E, em segundo lugar, devem pensar que combater o lixo envolve decisões políticas, não de governo. “São questões que devem ser cobradas do setor público, como expandir o saneamento e o esgoto para um número maior de pessoas”, acrescenta Turra.

    Sobre o Movimento Plástico Transforma

    O Movimento Plástico Transforma é uma iniciativa do Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico, o PICPlast, fruto da parceria da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST), e da Braskem, maior produtora de resinas termoplásticas das Américas. Desde 2017, o programa vem investindo em ações que geram agenda positiva para o uso consciente e responsável do plástico. É o caso, por exemplo, do PlastCoLab, espaço interativo, inspirado no movimento maker, que reúne inovação e tecnologia associado ao plástico. Com quatro edições realizadas em São Paulo, Porto Alegre, Salvador e Brasília, o espaço contou com mais de 36 mil visitantes e os organizadores já estudam a possibilidade de levá-lo para outras cidades.

    FONTE: Site PICPlast ( www.picplast.com.br)

    Próximos Eventos

    INTERPLAST 2020 – FEIRA E CONGRESSO DE INTEGRAÇÃO DA TECNOLOGIA DO PLÁSTICO

    11/08/2020 - EXPOVILLE – JOINVILLE – SC

    Saiba Mais

    © 2018 - ABIPLAST - Associação Brasileira da Indústria do Plástico - Todos os direitos reservados.