Explorar o potencial da impressão 3D para reduzir o desperdício de plástico

    12/11/2014

    Explorar o potencial da impressão 3D para reduzir o desperdício de plástico

    O design pode influenciar positivamente a mudança global se combinado corretamente com engenharia e negócios. Considere a embalagem de plástico que você joga no lixo. Aquela embalagem de plástico, em qualquer outro lugar no mundo, é retirada de aterros sanitários por milhões de pessoas que vivem com cerca de um dólar por dia. Agora imagine que seus utensílios domésticos plásticos podem se tornar qualquer outro produto plástico que você precisa, basta pressionar um botão. Qual seria o valor, então?

    Este é o valor paradoxo criado pela Better Future Factory (BFF). BFF é uma agência de design, fundada por cinco ex-alunos de engenharia de Design Industrial da Universidade de Tecnologia Delft (Delft University of Technology), na Holanda. “Nossa missão é fabricar um futuro melhor, enfrentar os problemas reais através de projeto, engenharia e negócios.”

    Reciclagem de plástico é uma questão técnica, mas o resíduo plástico está conectado com as pessoas. Os consumidores influenciam o que acontece com os resíduos plásticos, quando optam por jogá-lo fora ou reciclá-lo. As escolhas que os consumidores fazem sobre os seus resíduos plásticos podem ser influenciados por incentivos. É importante conscientizar as pessoas sobre o valor de seus resíduos.

    Projeto Plástico Permanente (perpétuo)

    E se os consumidores pudessem devolver produtos quebrados ou desatualizados na loja e tê-los reaproveitados? E se produtos de plástico forem feitos sob demanda usando as impressoras 3D e materiais reciclados?

    Better Future Factory criou uma usina interativa de reciclagem de plástico chamada Projeto Plástico Permanente (perpétuo) Perpetual Plastic Project. A usina é uma pequena empresa para iniciar a reciclagem de toneladas de plástico que são processadas pela indústria a cada dia. A máquina permite que as pessoas imprimam produtos plásticos em 3D usando seus copos descartáveis como matéria-prima. Enquanto cortam e derretem seus resíduos plásticos em uma impressora 3D as pessoas se envolvem no processo através de uma experiência divertida e educativa.

    “Estamos focando em impressão 3D como parte da solução para os resíduos plásticos, uma vez que, quando não descartados adequadamente, podem prejudicar o meio ambiente.” As peças podem ser produzidas sob demanda, para eliminar estoque, para alterar design e fazer o projeto pessoal de novo. O mercado global de filamentos de impressão em 3D está previsto para alcançar US $ 669m (£ 418.7m) este ano. No entanto, as pessoas estão usando matérias-primas plásticas virgens para fazer protótipos, acessórios e brinquedos que possuem vida útil curta. Estes filamentos não são de material reciclado e a BFF tem como missão, mudar este cenário.

    BFF visa tornar plástico reciclado como padrão para impressoras 3D populares. Estamos desenvolvendo um novo filamento reciclado para impressora 3D baseado nos mesmos princípios de “plástico perpétuo.” Estamos usando fluxos de resíduos seguros cuidadosamente selecionados (ou seja, a partir de peças de carros ou geladeiras), como fonte de matéria-prima para convertê-los em filamentos de alta qualidade.

    Agregar valor aos resíduos através da concepção de novos produtos

    Foi apenas nos últimos anos que nos tornamos globalmente conscientes dos efeitos que os resíduos plásticos podem ter sobre o nosso ambiente.

    Consideremos a Angola, um país da África que sofreu uma longa guerra civil. A guerra deixou uma geração com uma lacuna educacional, mas os angolanos estão ansiosos para aprender. Para inspirar e educar os angolanos sobre a reciclagem de plásticos, a BFF está cooperando com o Ministério da Ciência e Tecnologia de Angola. Estamos ensinando-os a usar uma réplica da usina interativa de reciclagem para estimular a consciência ambiental e empreendedorismo. Neste contexto, a reciclagem de plásticos apenas com fins para o meio ambiente não é uma prioridade, mas sim para que as pessoas entendam o valor dos resíduos plásticos como um recurso, transformando estes resíduos em negócio. Portanto a BFF desenvolve soluções de reciclagem de baixa tecnologia em cooperação com empresários angolanos locais.

    Como o designer de produto Victor Papanek disse “aquilo que nós jogamos fora, deixamos de valorizar. Quando projetamos e planejamos os objetos para serem descartados, não consideramos fatores de concepção ou segurança.”

    Estamos reinventando a forma como os produtos plásticos são feitos e fundamentalmente mudamos a relação das pessoas com esses produtos. No oeste, a BFF liga fluxos de resíduos plásticos locais para o crescente mercado de impressão 3D via recicladores existentes. Em Angola estamos ligando empreendedorismo em resíduos plásticos a um país que está se reconstruindo.

    A BFF acredita que, a fim de resolver problemas reais, temos designers que podem construir pontes entre as necessidades e habilidades das pessoas; designers que não só executam projetos, mas levam em conta contexto, a fim de desenvolver modelos de negócios sustentáveis.

    Próximos Eventos

    WEBINAR PERSPECTIVA DO MERCADO DE RESINAS NO BRASIL

    02/12/2020 - ONLINE

    Saiba Mais

    © 2018 - ABIPLAST - Associação Brasileira da Indústria do Plástico - Todos os direitos reservados.