Medidas anunciadas pelo Governo para estabilizar a economia, retomar o crescimento e fomentar o crédito

    29/01/2016

    O Ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, anunciou ontem (28/01) durante a reunião do CDES (Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social), propostas para estabilização da economia e retomada do crescimento.

    No âmbito fiscal, as propostas priorizam a reforma e simplificação dos tributos PIS-COFINS, ICMS, das alíquotas do Supersimples e MEI (Micro Empreendedor Individual), e a recriação da CPMF em curto prazo como forma de sanar as contas públicas. Ações de longo prazo consistem na reforma estrutural da previdência e a flexibilização das metas fiscais, em momentos de redução de receitas.

    No âmbito de fomento ao crédito, as ações divulgadas podem ter capacidade de expansão do crédito em R$83 bilhões e referem-se, de acordo com o Ministro da Fazenda, de racionalização de uso de recursos já existentes. No quadro abaixo resumimos o que até o momento foi divulgado.

    Medida

    Modalidade

    R$ bi

    Reabrir linha de capital de giro do BNDES com garantia do FGI e redução da taxa de juros

     

    Condições*: (vide tabela abaixo)

     

    Prazo: até 60 meses, incluída 1 a 24 meses de carência

    Depende de Ato do BNDES

    Capital de giro

    5

     

     

    Condições da linha de capital de giro do BNDES com garantia do FGI e redução da taxa de juros


    Versão Anterior

    Nova Versão

    Custo Financeiro

       

    Micro e Pequena

    Selic

    50% Custo captação BNDES + 50% TJLP

    Média

    Selic

    80% Custo captação BNDES + 20% TJLP

    Média-Grande e Grande

    Selic

    100% Selic

    Remuneração BNDES

       

    Micro e Pequena

    0,5% a.a.

    0,5% a.a.

    Média

    1,4% a.a.

    1,4% a.a.

    Média-Grande e Grande

    2,5% a.a.

    2,5% a.a.

    Remuneração AF

       

    Todos os portes

    Negociada

    Negociada

    Prazo de Financiamento

       

    Todos os portes

    Até 60 meses, incluída carência de 1 a 24 meses

     

     

    Abrir linha de refinanciamento para prestações do PSI e da FINAME

     

    O cliente poderá refinanciar as parcelas de amortização que vencerão nos próximos 24 meses. Durante esse período haverá o pagamento apenas dos juros.

     

    As parcelas refinanciadas serão pagas em até 30 meses, que serão acrescidos no final do contrato atual;

     

    Custo financeiro: SELIC + 1,48% a.a + spread bancário

    Depende de Ato do BNDES

    Bens de capital

    15

    Agilizar aplicação FI-FGTS em infraestrutura e simplificar emissão de debêntures de infraestrutura

     

    Depende de decreto.

    Infraestrutura

    22

    Aplicar recursos do FGTS em CRI liberando capacidade de financiamento para novas operações

     

    A aquisição de CRI pelo FGTS, além de assegurar uma boa rentabilidade para o Fundo, permitirá que as instituições financeiras reciclem parte da sua carteira de financiamento imobiliário para realização de novas operações.

     

    Depende de atos da gestão do FGTS e da Caixa

    Crédito habitacional

    10

    Retomar linha de pré custeio do BB (recursos para produtores rurais adquirir insumos – sementes, defensivos, fertilizantes) para safra 2016/17

     

           7,75% a.a. – produtores rurais com renda até R$ 1,6 milhão ao ano (Médios Produtores).

     

           8,75% a.a. – demais produtores rurais.

    Depende de anuncio e decisão do Banco do Brasil

    Crédito rural

    10

      

     

    Aumento de prazo máximo e redução da taxa de juro da linha de pré embarque

     

    Financiamento à produção destinada à exportação de bens de capital;

     

    Prazo máximo será ampliado de 24 meses para até 30 meses.

     

    Alteração na proporção entre TJLP e Selic que era 50/50 para:

     

           MPMEs: até 80% TJLP + 20% SELIC + 1,5% a.a + spread bancário;

     

           Grandes empresas: até 70% TJLP + 30% SELIC+ 1,5% a.a + spread bancário.

     

    Depende de aprovação da diretoria do BNDES

    Exportações

    4

    Autorizar utilização do FGTS como garantia para operações de crédito consignado (Congresso Nacional)

     

    Permitir a utilização da multa rescisória do FGTS e de até 10% do saldo da conta vinculada para garantia em empréstimo consignado de trabalhadores do setor privado. 

     

    Depende de aprovação de Lei pelo Congresso Nacional

    Crédito consignado

    17

    TOTAL

     

    83

     

    Próximos Eventos

    WEBINAR PERSPECTIVA DO MERCADO DE RESINAS NO BRASIL

    02/12/2020 - ONLINE

    Saiba Mais

    © 2018 - ABIPLAST - Associação Brasileira da Indústria do Plástico - Todos os direitos reservados.